Arquivo para outubro, 2010

Rumos sem caminhos

Posted in Drama with tags , , on outubro 31, 2010 by lesdommag3rs

“[…]

Aah, veja todas as pessoas solitárias
(Beatles, Eleanor Rigby)

Nenhum futuro. Nenhum passado. E sem presente.”

Sérgio Gelassen, Rumos Sem Caminhos

Anúncios

Com rosas ser chicoteado

Posted in Uncategorized on outubro 31, 2010 by lesdommag3rs

“[…]

O sonho americano. O jeitinho brasileiro. Um negócio da China. A coisa ficou russa…”

Sérgio Gelassen, Chicoteie-me com rosas

Antitético eu sou — eu sou demais…

Posted in Drama with tags , , on outubro 12, 2010 by lesdommag3rs

“[…]

Início de um fim de noite. Eu e mais dois amigos. Segurando um rato morto que achei na rua, disse ao próprio: ‘o rato é meu, Porcaria. O rato é meu!’ Mais tarde — e ainda hoje — ninguém entende por que o fiz. Somente eu. Somente eu… Mas — um momento… E nada mais — isto é segredo. Tal segredo figura como um véu de tecido morto, pele morta, talvez. E que parece (a)guardar algo como a vinda de uma Porcaria maior. Num futuro vago, embora intenso. Se não a ‘todos nós dois’, a quem mais?”

Sérgio C. Gelassen, A guardar em silêncio ruidoso

Você é quem eu estou pensando que você seja?

Posted in Drama with tags , , , , on outubro 9, 2010 by lesdommag3rs

“[…]

Meu Deusinho do Céu… Ela chorava baixinho. Como se sua dor começasse no coração e terminasse na alma. Gemia muito — como se algo partisse seu coração. Como se ela estivesse ciente de que fosse uma ilusão humana, meu Deus do Céu… Meu Deus do Céu, meu Deus do Céu… Como se fosse feita de pura ilusão… Como se todos nós fossemos partir nesse momento e vocês fossem com a gente… E essa sensação estúpida de déjà vu a nos tomar as emoções a ponto de nos fazer sentirmo-nos presos às paredes mas levados a tombar pelas sensações de termos feito coisas em outras vidas que ecoassem justamente nesse momento. Rosas — Graciosas, de Vidro, de vício, de dor, de sangue — vivas: a sangrar pelos corredores. Corredores onde correm as dores. Dessa e de outras vidas… Deus… Deeeuuusss…”

Sérgio Gelassen, Diga-me a verdade: você é quem eu estou pensando que seja você?