Arquivo para agosto, 2009

Sérgio C. GELASSEN

Posted in Literatura with tags , , on agosto 28, 2009 by lesdommag3rs

“[…] Se é mesmo verdade que ela morreu dois anos após ter enlouquecido, não sei. Mas uma coisa é certa: toda noite vejo-a passando por meu quarto, ou melhor, um vulto seu. Atravessando as paredes. E só volta na noite seguinte. E sempre quando leio aquele livro que fez ela dizer que eu devia era ser tarado por mulheres, aquele livro que eu lia quando disse que era tarado por metáforas. Tenho certeza de que ela não me impressiona. (Eu a impressiono). Só mais um fantasma. A Flor Apodrecida e as cinzas que ela deixou.[…]”

Referência bibliográfica

GELASSEN, Sérgio C. De rosa de vidro à flor apodrecida: uma vida mal vivida. São Paulo: Para São José, 2009. 396 p.

Anúncios

Ronald E. BARKER e Robert ESCARPIT

Posted in Literatura with tags , , , , , , , on agosto 28, 2009 by lesdommag3rs

“[…]
‘Por que ler?’ pode-se perguntar. Não existe reposta fácil. No momento atual os meios audivisuais de comunicação não podem dispensar o apoio da palavra escrita. Nem toda a engenhosidade da técnica moderna pode agora, como não pôde antes, impedir que a palavra falada e as imagens acabem-se apagando, enquanto a palavra escrita permanece. Em nossa civilização de transformações, a palavra escrita pode não durar tanto como antes, mas ainda dura o suficiente para conferir ao leitor a força da perspectiva hsitórica, a decisão semântica, a reinterpretação e a crítica retrospectiva – em suma, os meios de sua liberdade.”(1) (BARKER; ESCARPIT, 1975, p. 147)

Referência bibliográfica

BARKER, Ronald E.; ESCARPIT, Robert. A fome de ler. Trad. J. J. Veiga. Rio de Janeiro: FGV, 1975. 188.

NOTA

(1) Não é este o parágrafo que fecha o livro, o qual, por sua vez, consta na página 181. Mas, a julgar pelo conteúdo do excerto apresentado acima, ele bem que poderia se prestar a esse papel. Ademais, ele finaliza uma parte do livro, aquela que antecede a conclusão.

Sérgio C. GELASSEN

Posted in Drama, Literatura, Romance with tags , , , on agosto 26, 2009 by lesdommag3rs

“[…] Com o fim deste livro, minha história começa a ser escrita. É um novo começo. Pelo fim. (Pois não é pelo fim que muita coisa tem início?)”

Referência bibliográfica

GELASSEN, Sérgio C. Fim sem história: já podemos começar. São Paulo: Para São José, 1997. 280 p.

Sérgio C. GELASSEN

Posted in Drama, Literatura, Romance with tags , , , , on agosto 26, 2009 by lesdommag3rs

“[…] ‘Se eu quisesse uma santa, iria para a igreja…’ Ouvindo isso, a prostituta entregou-se a ele, de corpo e alma — mais corpo do que alma, se assim posso dizer. Era tarde demais: dois perdidos nunca poderiam se encontrar…” (GELASSEN, 1996, p. 319).

Referência bibliográfica

GELASSEN, Sérgio C. O livro que não foi escrito ou o livro que ninguém teve coragem de escrever. São Paulo: Para São José, 1996. 320 p.

Oswaldo GIACOIA JUNIOR

Posted in Filosofia, Filosofia Alemã with tags , , , on agosto 23, 2009 by lesdommag3rs

“[…] Filosofar é viver – isto é, transformar permanentemente em luz e chama tudo o que somos, tudo o que nos afeta.” (GIACOIA JUNIOR, 2000, p. 88)

Referência bibliográfica

GIACOIA JUNIOR, Oswaldo. Nietzsche. São Paulo: Publifolha, 2000. 92 p. (Série Folha Explica).

Riane T. EISLER

Posted in História, Papel sexual with tags , , , , , , on agosto 23, 2009 by lesdommag3rs

“[…] após o sangrento desvio da história androcrática, tanto mulheres quanto homens terminarão por descobrir o que pode significar ser humano.” (EISLER, 1989, p. 254)

Referência bibliográfica

EISLER, Riane Tennenhaus. O cálice e a espada: nossa história, nosso futuro. Trad. Terezinha Santos.  Rio de Janeiro: Imago, 1989. 339 p. (Série Diversos).

Anne FRANK

Posted in Relatos judaicos with tags on agosto 20, 2009 by lesdommag3rs

“[…]
Uma voz dentro de mim soluça: ‘Veja só, foi isso que você virou. Está rodeada por opiniões negativas, olhares desanimados e rostos zombeteiros, pessoas que não gostam de você, e tudo porque não escuta o conselho de sua metade melhor. Acredite, eu gostaria de escutar, mas não dá certo, porque se eu ficar quieta e séria, todo mundo acha que estou representando outro papel e tenho de me salvar com uma piada, e nem estou falando de minha própria família, que presume que devo estar doente, me enche de aspirina e sedativos, sente meu pescoço e minha testa para ver se estou com febre, pergunta sobre os movimentos intestinais e me critica por estar mal-humorada, até que eu não agüento mais, porque quando todo mundo começa a me chatear, fico irritada, e depois triste, a parte má do lado de fora e a boa do lado de dentro, e tento achar um modo de me transformar no que gostaria de ser e no que poderia ser se… se não houvesse mais ninguém no mundo.

Sua Anne M. Frank” (FRANK, 1997, p. 310)

“O DIÁRIO DE ANNE TERMINA AQUI.” (id., ibid., p. 311)

Referência bibliográfica

FRANK, Anne. O diário de Anne Frank: edição integral. 9 ed. Trad. Ivanir Alves Calado. Rio de Janeiro: Record, 1997. 315 p.